Caçadas Alecrim da Fórnea

Um espaço de imagens de momentos de caça, textos de opinião, histórias, espécies cinegéticas, legislação, armas e munições de caça, cães e culinária, resultantes de experiências e vivências pessoais, que aqui são relatadas para partilhar e mais tarde recordar.

Direitos de Autor

As imagens constantes neste blog são na sua maioria da autoria do administrador do mesmo, sendo por esse motivo proibida a sua cópia, reprodução e utilização sem autorização do mesmo.
As imagens que o não forem contêm a origem das mesmas.

sábado, 14 de janeiro de 2017

domingo, 18 de dezembro de 2016

Um navalheiro portomosense

Preâmbulo

Uma vez que, quando publico este post, estamos em plena época natalícia e o seu espírito deve estar presente em todos os católicos e outros crentes, dedico este post aqueles que por vezes se esquecem do 8º mandamento da lei de Deus e se deixam consumir pelo 2º pecado mortal.

Um navalheiro portomosense

Não, ainda não apanhei o "bicho" das esperas. Faço esperas mas com máquina fotográfica, ao javali gosto mais de uma montaria pela dinâmica do tiro e a movimentação de cães e javalis, mesmo com todas as suas vicissitudes, digamos assim.
No entanto admiro quem as faça, quer pela adversidade das condições atmosféricas, quer pelo isolamento "nocturno" e tudo o mais.
Tudo isto para chegarmos às 21h45 do dia 07 de Novembro de 2016, momento em que recebo um telefonema, onde do outro lado da "linha" uma voz carregada de adrenalina exclama:
"- Tombei um grande!"
O efeito foi contagiante.
"- Vou só mudar de roupa, pegar a máquina fotográfica e em cinco minutos estou aí!
No local pude confirmar. Um belo navalheiro tinha tombado com o peso de uma 9,3x62 correctamente encaminhada pela BROWNING BAR do meu irmão.
Parabéns!

Para memória futura ficam aqui as fotos do momento e a ligação para o vídeo.

O momento para mais tarde...




Os dentes:



A equipa de apoio:



O video:

sábado, 22 de outubro de 2016

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Às perdizes na época 2016/2017

Mais um dia de perdizes na época 2016/2017. Com vento de sul/sudoeste a volta tem de ser diferente e a "caça" sabe disso, deixando o caçador e cães a apontar para o vazio.
No entanto nem todas têm as manhas apuradas e algumas são apanhadas desprevenidas!

Os momentos:





sábado, 8 de outubro de 2016

Início de época 2016/2017

O primeiro dia de caça às perdizes é sempre o primeiro!
 Época após época o desejo de escutar o arranque de uma vermelhuda está sempre presente.
A começar no dia 02 de Outubro, o primeiro dia não podia ser melhor...




quinta-feira, 28 de julho de 2016

Coelho Bravo


Momentos de uma espécie tremendamente mal tratada, em termos "virulogicos", pela mão humana.






Porto de Mós, Julho de 2016

sábado, 16 de julho de 2016

Raposa em tempo de luar

Porto de Mós, 15/07/2016 - 23h50

Latidos e mais latidos, fortes e denunciantes de que algo se movimentava sob a luz do luar de Julho e exigiam que o dono fosse verificar.
O dono e a dona, pois claro! E sob o luar um vulto de um canídeo movimentava-se nas imediações do canil. Apontada a lanterna o vulto revelou pertencer a uma raposa, que de volta de um amontoado de pedras, provavelmente, tentava localizar um rato do campo, um petisco!
De imediato fui buscar a caçadeira de 300mm, carreguei-a com ISO 2500 e flash acoplado, apontei e disparei na sua direcção.
Caiu redonda ao primeiro tiro!
Mais um, outro e ainda outro disparo, somados foram sete...indiferente, a mesma continuou, tornou a passear junto dos perdigueiros como se nada fosse e embrenhou-se no carrascos até desaparecer completamente...










sábado, 2 de julho de 2016

Rola Brava

Algumas fotos de rolas deste ano de 2016.
Elas continuam a vir, eu continuo a alimenta-las e em troca tenho estas poses para retratos!

Porto de Mós, de Abril a Junho








quarta-feira, 29 de junho de 2016

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

O primeiro sangue da carabina

Sem publicar neste blog há algum tempo, eis que um motivo de força maior me obrigou a retomar às publicações no Alecrim.
Desde que me iniciei na prática da actividade cinegética que sempre tive o desejo de possuir uma carabina e em Janeiro de 2011 esse sonho concretizou-se, mais precisamente a 21 de Janeiro.
No entanto passados estes anos a carabina continuava virgem em termos cinegéticos. Nunca tinha feito sangue, umas vezes por não haver alvo outras por o alvo ser "pequeno", digamos assim.
Ora, como não há fome que não dê em fartura, no dia 21 de Fevereiro de 2016 essa fartura bateu-me à porta, literalmente.
Dois javalis tombaram com as 9,3 enviadas pela Browing Bar, um redondo, a dar a cambalhota como mandam as regras e o outro a aguentar a carga inicial e a dar mais algumas passadas até ao suspiro final.
São estes os momentos que ficam na retina e na memória.

Os momentos: